Arquivo do autor:Luiz Menezes

Livros e revistas sobre minerais, gemas e cristais esotéricos

Estamos iniciando em nosso blog uma seção informativa sobre livros e revistas, onde inclusive estaremos dando informações sobre o que está incluído no último número das revistas que passarão a serem aqui listadas. A primeira revista que gostaríamos de recomendar é a Diamond News:

DIAMOND NEWS
Praça Dom José Gaspar, 30 – Sobreloja A1
01047-010 – São Paulo, SP
Fone (11)3383-5000
diamondnews@bristar.com.br
www.diamondnews.com.br

É ao nosso ver a melhor revista brasileira sobre gemas e minerais; é editada pela Bristar, do Jorge Luiz Brusa, que é um entusiasta de Gemologia ( e também da Mineralogia ), extremamente ativo, está presente nas mais importantes feiras internacionais ( Tucson, Munique, etc ), sendo portanto uma pessoa atuante e atualizada sobre as novidades e as tendências do mercado.

A revista Diamond News tem mantido há vários anos um excelente padrão de qualidade técnica e conteúdo consistente e cada vez mais rico ( não nos recordamos de nenhum artigo incluído para “encher lingüiça”, todos os artigos têm sido sobre assuntos relevantes ).

Recebemos recentemente o número 30, Ano 9, que contem os seguintes artigos:

– Editorial escrito pelo Jorge Brusa

– Mina Argyle, a principal fonte fornecedora de diamantes rosa – excelente artigo sobre essa mina situada no noroeste da Austrália, cuja exploração comercial teve início em 1979, e se caracteriza pela atípica ocorrência dos raros diamantes rosa, dos quais ela é o principal produtor mundial

– Mix News – vários artigos curtos sobre vários temas:
– Camões e Gemologia, escrito por nosso amigo Eduardo Frank Kesselring, cuja companhia tivemos o prazer de compartilhar no final dos anos 60 e início dos anos 70 no que consideramos foi a fase áurea da ABGM, em sua antiga sede da Rua Álvares Machado, em São Paulo
– Dicionário de Mineralogia e Gemologia, do professor da UFRS Pércio de Moraes Branco – contato com o Prof. Pércio sobre o livro pelo E-mail perciomb@portoweb.com.br, ou pelo fone (51)3228-4969
– Livro Jóias – Criação e Design, de Carlos Salem – informações pelo site www.2000joias.om.br
– Novo roteiro turístico no sul do país – informando sobre o inédito roteiro Turístico das Gemas e Jóias do Rio Grande do Sul, previsto para ser iniciado em 2009 por iniciativa do Ministério do Turismo e elaborado pelo IBGM, em parceria com o SEBRAE-RS, a Secretaria de Turismo do Rio Grande do Sul, prefeituras municipais, universidades, sindicatos da categoria e entidades locais
– Dados sobre a exportação de gemas e jóias no período Janeiro-Abril 2008, comparando-as com o mesmo período de 2007
– Dados sobre o preço dos metais preciosos no período Maio/Junho 2008
– Informações sobre uma competição internacional de criação de jóias contemporâneas contendo diamantes, promovida pela Antwerp World Diamond Centre ( AWDC )

– Diamantes Sintéticos – análise da última geração feita pelo GIA – informa sobre diamantes sintéticos produzidos pela Apollo Diamond Inc. utilizando a deposição química de vapor (CVD), lançados no mercado há aproximadamente 5 anos, e que entraram no mercado comercial de jóias até agora em quantidades muito limitadas; o artigos descreve um artigo publicado na revista Gems & Gemmology, Winter 2007, do GIA, trazendo a boa notícia que esses diamantes podem ser identificados por testes gemológicos e pelos equipamentos que testam os diamantes usados pelos principais laboratórios

– Âmbar, a cápsula do tempo – artigo escrito por Jorge Brusa, descrevendo as cores, procedências, inclusões, tratamento, etc.

– Seção Indicadores, com:
– Cursos – calendário com os mais importantes cursos e informações sobre os promotores
– Cotação de Brilhantes no Mercado Internacional
– Feiras Internacionais – calendário das mais importantes feiras internacionais de gemologia ( mas não as de mineralogia )
– Feiras Nacionais – calendário

– História do Paládio- descreve que a história do paládio e da platina estão ligadas, já que ambos foram encontrados juntos e fazem parte do grupo dos metais da platina, também conhecido como metais nobres. “Platina natural ou nativa”, refere-se à platina pura, que na verdade não é inteiramente pura e sim uma mistura do grupo dos metais da platina, incluindo o paládio. O paládio só foi separado deste composto algum tempo depois, por isso esses dois metais possuem a mesma história.

– Vanadinita – artigo escrito por Rainer Schultz-Güttler sobre esse mineral, numa “canja” para nós mineralogistas, uma vez que esse mineral carece de interesse gemológico

Como vocês podem ver, são todos artigos importantes, sem nenhuma “encheção de lingüiça”; parabéns ao Jorge e à sua equipe pelo excelente trabalho.


Mina de cobre de Morenci – Série "American Mineral Treasures"

A mina Morenci é atualmente a maior mina de cobre dos Estados Unidos, e tem produzido uma grande quantidade de excepcionais amostras de azurita e malaquita, entretanto o fato mais notável é que a Phelps Dodge Corporation, que a opera, assinou um contrato com uma empresa de comércio de minerais, em 1974, que ficou autorizada a coletar e comercializar as amostras, impedindo que elas fossem destruídas.

Esse contrato reverte a receita em benefício do Arizona Sonora Desert Museum, que portanto é patrocinado pela Phelps Dodge com os recursos obtidos com a comercialização dos minerais, modelo muito interessante que infelizmente não é utilizado por nenhuma empresa de mineração no Brasil, onde os minerais de coleção presentes nas minas são brutal e sistematicamente destruídos, devido à omissão e desinteresse de toda a comunidade mineral brasileira ( empresas de mineração, universidades, geólogos e engenheiros de minas ).

O texto da vitrine dizia o seguinte:

MORENCI MINE

A mina Morenci localiza-se no centro-leste do Arizona próximo à divisa com o Novo México; depósitos de cobre foram lá encontrados pela primeira vez em 1865 e os primeiros pedidos de lavra foram registrados em 1872; logo em seguida se iniciaram as atividades de mineração que exploraram inicialmente os ricos veios sub-superficiais de carbonatos de cobre. Desde então Morenci evoluiu a partir de umas poucas minas subterrâneas até o que hoje: a maior lavra a céu aberto e o maior produtor de cobre dos Estados Unidos.

Os primeiros tempos de Morenci não resultaram na recuperação de muitas excepcionais amostras de azurita e de malaquita, embora elas certamente estivessem disponíveis para coleta durante as operações de lavra, até que, em 1974, a Phelps Dodge Corporation assinou um contrato de coleta de minerais, terceirizando essa operação, o que permitiu que a partir daí que Morenci se tornasse conhecida como importante produtor de espécimes minerais e de material para lapidação; durante os 33 anos seguintes a “Southwestern Mineral Associates” coletou a maioria das amostras que foram ofertadas ao mercado – a vasta maioria dos quais de outra maneira teria sido destruída nos britadores de minério o nas pilhas de lixiviação de minério de baixo teor”

As amostras mais importantes expostas naquela vitrine estão mostradas nas fotos abaixo:

Estalactite de Azurita, 14,7 cm, com Malaquita na sua base – é ao nosso ver a peça mais espetacular de todas as expostas naquela vitrine, pertence à coleção de Stan Esbenshade, foi coletada em 1985 na bancada 4650 na Copper Mountain área.

Estalactite de Malaquita recoberto por cristais de Azurita, 11,9 cm – outra peça absolutamente única, “killer”, pertence à coleção de Les e Paula Presmyk

Estalactites de Azurita sobre Malaquita, 12 cm de altura – pertence à coleção de Stan Esbenshade, foi coletada em 1986 na bancada 4650 da Copper Mountain area.

Estalactites de Azurita sobre Malaquita, 15,3 cm de altura, encontrada na bancada
4650 da Copper Mountain área, pertence à coleção de Bob Jones.

Detalhe da Vitrine, com as peças das Fotos 3, 4, 5 e 6, além de vários grupos de cristais de azurita.

Seção de um Estalactite de Malaquita intercrescido com Azurita, 4,5 cm de largura – esta peça espetacular tem uma longa história: Herb Obodda adquiriu-a nos anos 1960 do famoso comerciante Larry Conklin, que a havia obtido há pouco numa troca com o American Museum of Natural History, de New York; ela tinha sido adquirida por George Kunz numa viagem ao Arizona em 1884. Kunz vendeu-a, através da Tiffany & Co., para J. Pierrepont Morgan, e foi incluída na exibição “American Gems”, que recebeu a medalha de ouro na 1889 Exposition Universelle em Paris. Esta amostra foi exibida na página central do livro “Gemstones of North América”, de Geroge Kunz, editado em 1890.

Vários cabochões de Azurita com Malaquita, pertencentes a Stan Esbenshade – a mina Morenci produz as mais belas combinações de azurita com malaquita para fins gemológicos.

Quem quiser saber mais detalhes sobre a mina, a vitrine, as amostras e o show de minerais de Tucson pode nos escrever.

Até a próxima!!

Quartzo com marcas de raio

QUARTZO C MARCAS DE RAIO

Quartzo com marca de raios… o que será isso??

Essa excepcional curiosidade científica e esotérica tem sido muito estudada recentemente, tanto em pesquisas acadêmicas como por pessoas reputadas no meio esotérico como “altamente sensitivas”.
Peço desde já perdão aos puristas, pois a linguagem que usaremos será totalmente voltada à compreensão do conceito por parte de pessoas leigas.

Quartzos com marcas de raio são cristais de quartzo que apresentam fraturas em forma de “rastros” em sua superfície, como ilustra a foto abaixo, e que resultam do choque gerado pelo impacto de um raio na rocha onde o quartzo se formou (notem que o impacto do raio foi no solo, não no cristal em si).

Tais fraturas apresentam-se com características muito peculiares que evidenciam que foram criadas “de dentro para fora” (foto abaixo), ou seja, não resultam de qualquer agressão feita ao quartzo de forma intencional.

Dados científicos

Como se sabe, o quartzo possui propriedades piezoelétricas, ou seja, sofre contrações e distensões em seu volume quando submetido a variação de voltagem em seus extremos, sendo por isso utilizado em larga escala na fabricação de relógios.

Foi comprovado através da pesquisa abaixo que tal contração/expansão sob o efeito de uma descarga de altíssima voltagem produz nos quartzos o mencionado rastro.

A explicação científica vem de um estudo feito pelo professor Joachim Karfunkel, da UFMG, em parceria com vários colegas de universidades no exterior, como a de Viena, Áustria, Ilmenau, na Alemanha, e do United States Geolocical Survey de Denver, Estados Unidos, entre outros.

O estudo teve por meta constatar a veracidade da história contada pelos garimpeiros da região da Serra do Espinhaço a respeito dos cristais de quartzo por lá encontrados e que apresentavam os tais “rastros”, sendo chamados por eles de “pedra de raio”.
O estudo incluiu desde análises de campo, avaliando dados na superfície das áreas de lavra aonde as “pedras de raio” foram encontradas, onde havia sinais de descargas elétricas sobre o solo, até testes em laboratório, feitos na Universidade de Viena, onde cristais intactos de quartzo da mesma região foram submetidos a descargas elétricas de características semelhantes às de um raio, e que efetivamente produziram nos cristais a mesma marca encontrada nas “pedras de raio”, comprovando assim a interessante tese.

Características esotéricas

Como consta no livro “Love is in the Earth”, da nossa querida Melody, o quartzo com marcas de raio faz parte do grupo conhecido como “Grand Formations”, aqueles a serem utilizados durante as grandes mudanças na Terra. Auxilia a superação de choques e traumas, canalizando a energia da luz na direção desejada, trazendo também a energia do amor com a intensidade de um relâmpago. Facilita espíritos inquietos a fazerem a transição entre os planos físico e espiritual de forma menos traumática. Trabalha no a tendência à inércia que muitas vezes fazem com que o indivíduo aceite a opressão, trazendo força e coragem para mudanças.

Quem quiser saber mais sobre os quartzos com marcas de raio e sobre o estudo citado acima é só nos contactar.

Até a próxima!!

Estaurolita ("Pedra da Cruz")

Estaurolita

Composição química: (Fe,Mg)2 Al9 (Si,Al)2 O22 (OH)2.

A estaurolita é uma pedra de coloração marrom-avermelhada, encontrada em rochas metamórficas, que tem como principal característica a cristalização em forma de geminados em cruz.
Seu nome faz alusão a essa forma, derivando da palavra “stauros” que siginfica “cruz” no idioma grego.

Tais cruzes podem ser em ângulos de 60 e de 90 graus, sendo esta última forma a mais valorizada. A pedra da foto abaixo, proveniente de Keivy, na península de Kola, na Rússia é especialmente interessante, pois mostra ambas as cruzes numa mesma pedra.



As melhores estaurolitas disponíveis no mercado, que apresentam cristais bem formados e com a cruz de 90 graus, são provenientes de 3 localidades:
Madagascar; Taos, Novo México, Estados Unidos; península de Kola, Rússia.



Estaurolitas de Madagascar

Estaurolita de Keivy, Península de Kola, Rússia

Há uma ocorrência a destacar no Brasil, no município de Rubelita, MG, mas apenas com a cruz de 60 graus, como mostra a foto abaixo.

Estaurolita brasileira


Características metafísicas:

Conhecida como “Pedra da Cruz”, “Pedra das Fadas” ou “Cruz das Fadas”, a estaurolita é considerada um poderoso talismã, sendo bastante usada em rituais de “magia branca”.
Segundo os especialistas em esoterismo pode ser usada para conectar os planos astral, extraterreno e físico, auxiliando no alinhamento e conexão dos mesmos, além de eliminar a depressão e reforçar a auto-determinação no combate a vícios. Auxilia também na conexão com vidas passadas.

No plano físico, atua nos distúrbios de ordem intra-celular, reforçando a absorção de carboidratos. Pode também ser utilizada como complemento em tratamentos de doenças como malária, depressão e febres de um modo geral.

Se quiserem saber mais sobre a estaurolita, sintam-se à vontade para nos consultar.

Até a próxima!!



Illinois Fluorspar District – Série "American Mineral Treasures"

ILLINOIS FLUORSPAR DISTRICT

Uma das vitrines mais espetaculares que compuseram a exposição “American Mineral Treasures” no último show de minerais de Tucson abordou o “Illinois Fluorspar District”.

O estado de Illinois foi o mais importante produtor de fluoritas nos Estados Unidos durante a maior parte do século passado. O hábito dos cristais era normalmente cúbico, a cor era azul, amarela ou roxa, e cristais bicolores e/ou zonados eram comuns. Os minerais acessórios mais importantes eram galena, esfalerita, calcita e barita, e mais raramente estroncianita e witherita.

O texto da vitrine (foto abaixo) dizia o seguinte:

” O Distrito de Fluoritas do Illinois tem sido uma famosa fonte de fluorita e de galena desde 1812, embora no princípio apenas a galena era recuperada ( para a produção de chumbo e de prata ). Nos anos 1880’s uma tecnologia nova para a produção de aço começou a ser utilizada, requerendo o uso e fluorita como fundente, o que incentivou a mineração na área. Desde então mais de 200 minas foram abertas, com o coração da atividade mineira sendo localizado durante mitos anos ao redor da cidade de Rosiclare. A partir do final da Primeira Guerra Mundial a região de Cave-in-Rock superou Rosiclare como núcleo principal de produção.

O Distrito liderou a produção norte-americana de fluorita durante os anos 1940’se centenas e milhares de toneladas de excelentes amostras de fluoritas azuis, amarelas ou roxas foram produzidas, muitas das quais de tamanhos e qualidades de museu. A última mina no Distrito encerrou as atividades em 1995.”


Cristais gêmeos ( mas não geminados ) de fluorita roxa, exibindo leve zoneamento de tonalidades de cor, medindo 10 x 6 cm

Cristais cúbicos de fluorita roxa, com cerca de 4 cm de aresta, sobre grupos de cristais menores de fluorita roxa, associados a pequenos cristais de calcita amarela ( dimensões totais – 20 x 10 cm )

Cristal cúbico de galena ( 7 x 4 cm ) sobre grupo de cristais de fluorita roxa ( altura – 11 cm )

Grupo de estalactites de esfalerita marrom-avermelhada escura com incrustações de cristais cúbicos de fluorita roxa – dimensões aproximadas – 25 x 15 cm

Grupo de cristais roxos de fluorita ( dimensões totais 25 x 18 cm ) parcialmente recobertos por grupos de cristais bege de estroncianita e cristais brancos de calcita

Grupo de cristais de fluorita roxa com a forma de uma “caverna”, com 21 cm e altura, exibindo cristais de fluorita tanto na superfície externa como na interna

Grupo de cristais cúbicos ( cerca de 10 cm de aresta ) de fluorita roxa recobertos por pequenos cristais de galena – tamanho total da amostra – 30 x 15 cm

Grupo de cristais cúbicos de fluorita zonada ( predominantemente laranja com fina zona externa arroxeada ), associada a cristais de calcita ( dimensões totais – 9 x 8 cm )

Grupo de cristais de witherita, com 10,6 cm de altura – a witherita, carbonato de bário, é um mineral relativamente raro e as melhores amostras do mundo foram encontrados nesse distrito

Cristal cúbico de fluorita, zonado (roxo na parte externa, amarelo no núcleo), com inclusões de barita ( largura da amostra – 9 cm )


As fotos acima demonstram que esta região produziu as melhores amostras mundiais de fluorita ( considerando-se o tamanho dos cristais, a variedade de cores e a quantidade total de amostras de excepcional qualidade produzidas ) e de witherita; foi também uma excepcional produtora de galenas, estroncianitas e esfaleritas e ainda, como “tempero”, “charme” adicional, cristais de calcita e barita enriquecendo as amostras.

Esta é sem dúvida uma das “Top-50” localidades mundiais de minerais, celeiro inesgotável de maravilhas!

Em breve, mais tesouros do mundo mineral. Até lá!


Série "American Mineral Treasures"

Minerais das Grandes Localidades Americanas

Iniciaremos uma série de artigos sobre a mais espetacular exibição de minerais que já foi feita em qualquer lugar e em qualquer tempo (não é opinião apenas nossa mas também de todos os colecionadores de minerais, comerciantes e cientistas que estiveram presentes no show de minerais de Tucson-2008).

Durante o Tucson Gem and Mineral Show, organizado pela Tucson Gem and Mineral Society (também chamado de “Tucson Main Show”), que se realizou este ano de 14 a 17/02, foram expostas na área nobre do pavilhão de exposições do “Tucson Convention Center” 44 vitrines, contendo a maior parte das mais importantes amostras que foram produzidas nas 44 mais importantes localidades de minerais dos Estados Unidos.

Cada vitrine foi coordenada por uma a quatro pessoas que têm ou tiveram (a maior parte daquelas localidades não se encontra mais em produção) intenso contato com a mesmas, tendo portanto profundo conhecimento do que foi nelas produzido, e que fizeram um precioso trabalho de localizar onde estão as melhores amostras, e fizeram então contato com esses museus e/ou colecionadores particulares e tiveram êxito em convencer a maior parte deles a permitir que essas amostras fossem trazidas para essa exposição.

Além de viabilizar a exposição dessas espetaculares amostras de cada uma dessas 44 localidades cada coordenador/grupo escreveu um texto resumido, que foi exposto juntamente com as peças, bem como um texto mais detalhado, que foi incorporado, juntamente com fotos da maioria das peças expostas, no fantástico livro “American Mineral Treasures”, que foi editado por Gloria A. Staebler e Wendell E. Wilon, Lithographie, LLC (East Hampton, Connecticut).

Iniciaremos a série com a primeira reportagem, sobre o distrito de Hiddenite, North Carolina.

HIDDENITE DISTRICT

Esta foi a mais espetacular vitrine da exposição “American Mineral Treasures”, pois continha o que considero a segunda melhor amostra que eu tive a oportunidade de ver em toda minha vida ( a melhor foi a rubelita “Joninha”, encontrada em 1979 na Lavra do Jonas ): um cristal de esmeralda perfeito, terminado, com ótimo brilho, limpo junto à terminação, medindo 19,5 cm, sobre uma matriz cristais de siderita e de rutilo medindo cerca de 20 x 15 cm; esta amostra foi encontrada em dezembro de 2003 e foi vendida ao Houston Museum of Natural History por um pouco mais de 1 milhão de dólares!; ela talvez seja a melhor amostra de mineral encontrada nos Estados Unidos em todos os tempos!

Além dessa amostra extraordinária, inacreditável, indescritível, havia na vitrine várias outras esmeraldas bem como cristais de hiddenita, que descreveremos mais adiante. O texto da vitrine dizia o seguinte:

“Em 1879 Thomas Alva Edison pediu a William Earl Hidden, de Newark, New Jersey, para ir ao estado da Carolina do Norte para lá prospectar platina, sobre a qual havia rumores de haver sido encontrada em aluviões auríferos da região. Edison esperava que a platina pudesse ser utilizada para a confecção de filamentos para suas recém-inventadas lâmpadas incandescentes.

A procura foi negativa mas, durante sua permanência na região Hidden conheceu J. Adali D. Stephenson, um comerciante próspero e também colecionador de minerais, em Statesville, que lhe mostrou um lote de cristais verdes, o que deu a partida na atípica história da produção de gemas na Carolina do Norte.

Alguns daqueles ‘pregos verdes’, como eram conhecidos pelos fazendeiros locais, foram imediatamente reconhecidos como esmeraldas, mas outros constituíam-se de algo novo, a variedade gemológica verde do espodumênio que foi posteriormente chamada de ‘hiddenita’.

Desde aquela descoberta pioneira o atualmente conhecido como ‘Hiddenite district of Alexander county, North Carolina’ produziu cerca de 50.000 quilates de esmeralda e 5.000 quilates de hiddenita.”

A maior hiddenita na vitrine mede cerca de 8 cm e está mostrada na foto abaixo.

Com relação ao nome “hiddenita” há gemólogos que consideram que deva ser apenas utilizado para os espodumênios cuja cor verde se deva exclusivamente à presença de impurezas de cromo na rede cristalina, o que tornaria Hiddenite a única ocorrência mundial, e a hiddenita talvez a gema mais escassa do mundo ( pois apenas 5000 quilates foram lá produzidos desde 1879 até hoje ). Entretanto, a exemplo do que também ocorre com a esmeralda, o mercado aceita como “hiddenitas” espodumênios de cor verde bem definida, de outras procedências, que se deve a impurezas não de cromo mas de ferro.

Nebula Stone x Jaspe Kambaba

Olá amigos

Estamos abrindo um fórum para debates e principalmente para a divulgação de informações que, na maioria das vezes movidas pelas melhores intenções, acabam sendo repassadas de forma incorreta aos apreciadores e colecionadores de minerais.

Vejam o caso abaixo, que aconteceu conosco recentemente:

Recebemos um alerta do casal Karen e Ron Nurnberg de que o material que estava descrito em nosso site como “Nebula Stone” não pode ser classificado como tal, mas sim como “Jaspe Kambaba“.

Este casal é o descobridor do mineral e dono da marca registrada “Nebula Stone”, e únicos produtores e distribuidores da genuína nébula stone.

Estamos disponibilizando aqui um link com o web-site deles (em inglês), http://www.nebulastone.com/, onde podem ser encontrados maiores detalhes sobre o assunto, inclusive com muitas fotos, citações e depoimentos tanto de renomados mineralogistas como também de estudiosos da parte esotérica.

Basicamente as características dos dois materiais são as seguintes:

Nebula Stone

Material de origem vulcânica alcalina, constituída de uma matriz verde muito escura ( quase preta ), constituída de quartzo, anortoclásio e riebeckita, dentro da qual ocorrem massas verde mais claras de formato ovalado, constituídas de anortoclásio com cristais longos e muito finos de riebeckita, parcialmente recobertos por aegirina; esses cristais estão orientados na direção do centro dos nódulos ovalados; existe apenas uma ocorrência conhecida no mundo, na região sul do México.

Jaspe Kambaba

Trata-se de um material metamórfico, resultante da fossilização de algas estromatólitas; a matriz é verde escura, porém bem mais clara do que a da “nebula stone”, e dentro dela ocorrem nódulos quase esféricos, que correspondem às algas estromatólitas fossilizadas; todo o material é constituído de jaspe.

 

Reconhecemos nosso erro, ao qual inclusive fomos induzidos por um fornecedor da Alemanha, sério e de tradição, que dispunha desse material no ano passado no show de Munich e o havia descrito como “Kambaba Jasper/ “Nebulastein”.

Já corrigimos a informação na nossa página, eliminando a “nébula stone” e introduzindo “kambaba jasper” – felizmente vendemos até agora muito poucas peças desse material, e caso qualquer dos leitores tenha comprado alguma peça de nós por favor nos contate que reembolsaremos o valor pago ou trocaremos por outra mercadoria, a critério do cliente.

Sintam-se à vontade para comentar esse assunto e para enviar dúvidas e histórias sobre outras pedras vendidas e/ou identificadas de forma incorreta, para que os apreciadores de minerais de coleção e de cristais esotéricos possam sempre adquirir exatamente o que querem e precisam.

Em breve, colocaremos no fórum mais alguns casos semelhantes. Até lá!

Falecimento do Professor Dr. Rui Ribeiro Franco

É com grande pesar que comunico o falecimento em São Paulo, no dia 20 de fevereiro, do Prof. Dr. Rui Ribeiro Franco.

Logo após começar a colecionar minerais, em 1961, visitei o Museu de Mineralogia da então chamada “Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da U.S.P.”, situado na Alameda Glete, 467, e aquilo foi uma descoberta que incendiou a minha paixão pelos minerais; passei então a freqüentar quase que semanalmente o Museu, e tomei conhecimento da existência da Associação Brasileira de Gemologia, cuja sede era no mesmo local e era dirigida pelo Prof. Rui. Ele então soube da existência do nosso “Clube de Ciências Campo Belo”, que eu dirigia, e passou a incentivar nossa iniciativa até que, em 1968, decidimos fundir as 2 entidades, transformando-as na “Associação Brasileira de Gemologia e Mineralogia”. Nesta época o Museu de Mineralogia foi mudado para a Cidade Universitária e temporariamente encaixotado, e a sede da nova Associação ( ABGM ) foi transferida para a Rua Álvares Machado, no centro da cidade.

Juntamente com dezenas de colaboradores ( vou citar apenas alguns nomes, por favor me desculpem os que porventura omitir: Ulrich Bobrik, José Osmir França Guimarães, Vitor Estéfano, Darcy Svisero, Eduardo Kesselring, Vladimir Aps, Joaniel Martins, Roberto Del Carlo, Israel Henrique Waligora, Ludovico Balogh, Janis Rudzitis, Alberto Blume, Severino Bandamento, Oscar Landmann, Elio Rosso, Nelson Caovilla, Dimitri Paraskevopulos, muitos outros…! ) o Prof. Rui continuou sendo o líder e mentor intelectual da entidade: uma vez por mês fazia uma palestra, sempre com o auditório lotado, onde discorria sobre algum tema ligado à Mineralogia e ou à Gemologia, em linguagem que os presentes ( quase todos apreciadores dos minerais mas sem formação científica ) podiam compreender; semestralmente dava aulas nos cursos de Gemologia, e a cada 3 meses participava das excursões para coleta de minerais no campo, onde pacientemente explicava, sempre em linguagem compreensível, as características mais interessantes das rochas, minerais ou fósseis encontrados nas pedreiras que visitávamos.

Estas foram as características mais marcantes da personalidade do Prof. Rui durante o período em que tivemos a felicidade de com ele conviver: sua dedicação em divulgar a Mineralogia e a Gemologia ao público em geral, sacrificando parte de seu tempo para dedicá-lo às atividades da ABGM, e sua rara habilidade em fazê-lo em uma linguagem acessível ao público que ele queria atingir.

Foi então com enorme satisfação que recebi a sugestão dos Prof. Daniel Atêncio e José Moacyr Vianna Coutinho de darmos o nome “Ruifrancoita” a um novo mineral que eu havia descoberto no campo em dezembro de 2002 e eles haviam concluído tratar-se de uma nova espécie mineral; o Daniel Atêncio foi aluno do Prof. Rui, o Moacyr Coutinho seu colega de trabalho na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras e na diretoria da Associação Brasileira de Gemologia, e eu devo ao Prof. Rui o apoio que recebi para continuar me dedicando aos minerais. A ruifrancoita é um fosfato de Fe3+, Ca e Be, foi descoberto na Lavra Proberil ( também conhecida como “Sapucaia pegmatite mine” ), em Galiléia, MG, foi aprovada como mineral novo pela I.M.A. sob o número 2005-061, e tornou-se oficialmente uma espécie nova ao ser publicada pela Canadian Mineralogist, Vol.47, pg. 1301-1311.

O Prof. Rui esteve lúcido e ativo até seu falecimento no último dia 20/02, aos 91 anos. A ele minha mais sincera homenagem e o meu agradecimento pelo grande apoio e exemplo que ele me deu.

Luiz Alberto Dias Menezes Filho

Show de Denver 2007 – Vitrine do Museu de Los Angeles, Parte 7

Olá a todos. Após um longo período de ausência devido à nossa participação no Show de Minerais de Tucson, estamos retomando os relatos, finalizando a matéria sober a vitrine que o Museu de História Natural de Los Angeles apresentou no Show de Denver, realizado em setembro do ano passado, e que relatava curiosidades sobre minerais brasileiros. Vejam abaixo os últimos dois minerais apresentados.

BERILO, variedade HELIODORO – Lavra da Serrinha, Medina, Minas Gerais

Trata-se de um cristal hexagonal medindo cerca de 6 x 2 cm, com terminação plana, e com interessantes inclusões tubulares em sua parte superior, próxima à terminação; a foto de dealhe mostra que na base de cada tubo há uma inclusão seja de spessartita ou de muscovita, e o texto explica o porque desses tubos ocos terem se formado.

Heliodoro Heliodoro (detalhe)

Heliodoro (texto em inglês)

Tradução do Texto – A terça parte superior deste cristal de heliodoro exibe internamente tubos verticais ocos, a maioria dos quais se extende até a superfície externa do plano de terminação. Estes tubos são “sombras de crescimento” criados por cristais de spessartita e de muscovita que cresceram sobre a face da terminação quando ela ainda estava numa posição interna e causaram interrupções pontuais durante o subseqüente crescimento do cristal de heliodoro.

DOLOMITA – Brumado, Serra das Éguas, Bahia

Trata-se de um belíssimo cristal geminado com 3 x 2 cm, com um hábito típico daquela mina mas muito raro em outras localidades, e exibindo ainda inclusões de rosetas de hematita, delimitando um “phantom” interno, e minúsculos cristais de anatásio em sua face esquerda.

Dolomita Geminada

Dolomita - texto em inglês

Tradução do Texto – Este incomum geminado de penetração exibe vários ângulos inter-faciais reentrantes onde as faces dos dois cristais geminados se interceptam. Capeamento de dolomita laranja-acastanhada na parte externa de cada lado do geminado dá ao cristal uma aparência de sanduíche. Outros aspectos interessantes incluem camadas de minúsculas rosetas de hematita que criam “phantoms” dentro da dolomita e cristais brilhantes de anatásio em crescimento paralelo ao longo do lado esquerdo do cristal.

Show de Denver 2007 – Vitrine do Museu de Los Angeles, Parte 6

Olá a todos. Vamos hoje comentar sobre duas amostras de topázio imperial que também faziam parte da vitrine que o Museu de História Natural de Los Angeles exibiu destacando curiosidades sobre diversos minerais brasileiros no show de Denver, em setembro último.

TOPÁZIO IMPERIAL – Lavra do Capão, Ouro Preto, Minas Gerais

É um belíssimo cristal, com 8 x 2 cm, exibindo cor roxa.


Tradução do Texto – A cor roxa é a mais rara no topázio imperial. A cor amarela no topázio é causada por centros de cor induzidos por radiação natural enquanto que as cores vermelha, rosa ou roxa são causadas por uma ligeira substituição do alumínio por cromo na estrutura cristalina. A cor laranja a laranja-avermelhada é causada pela combinação dessas duas causas.

TOPÁZIO IMPERIAL – Lavra Caxambu, Ouro Preto, Minas Gerais

Trata-se de uma amostra relativamente rara ( mas não extremamente rara ) em que o topázio está incrustado numa matriz laterítica. O tamanho é cerca de 20 cm, e o cristal de topázio mede cerca de 7 cm.


Tradução do Texto – Em Ouro Preto o topázio imperial é lavrado a partir de veios hidrotermais localizados dentro de hematita-xistos. Os depósitos e as rochas encaixantes são tão fortemente intemperizados e transformados em argila laterítica que normalmente apenas cristais isolados de topázio e de quartzo são recuperados. Este cristal de topázio quebrou-se e deslocou-se como resultado de movimentos da rocha após sua formação.

Ano que vem, tem mais!!

Feliz Ano Novo a todos!!